Um dos diretores de pornografia da vida real do filme, Aiden Starr, dá a Bella a experiência transcendente, afirmativa e sexualmente positiva que ela veio a Los Angeles para encontrar. O resto deles varia de desprezível, mas inofensivo, a manipulador e predatório, culminando em uma cena perturbadora onde o consentimento de Bella é repetidamente violado em uma filmagem de “sexo violento”. A atuação de Kappel nesses momentos é corajosa: é preciso coragem para qualquer ator se lançar em um papel ousado e fisicamente exigente como este, muito menos um sem experiência como Kappel. Sua vontade de superar o medo mostra não apenas seu compromisso com seu ofício, mas também a confiança incondicional entre Thyberg e sua estrela.

“Prazer” não tenta justificar as escolhas de Bella, e não as culpa por um passado traumático ou problemas com o pai. Ela vem de uma família estável e só está presa em LA porque mentiu para os pais sobre um “estágio” na Califórnia. Como personagem, suas motivações são simples, mas inescrutáveis: ela não é particularmente movida por dinheiro e, embora goste de atenção, pode aceitar ou deixar a fama. Sua motivação é simplesmente ser a melhor, uma mentalidade muito americana que, em última análise, ilude esse filme muito europeu.

Um fato que aparece claramente em “Pleasure” é o racismo estrutural embutido na pornografia. Logo no início, o empresário de Bella, Bear, interpretado pelo ator pornô negro Chris Cock, explica que ele é “mais um fetiche” do que uma pessoa. E em uma lista de verificação que Bella preenche antes de uma filmagem, “inter-racial” está no final, o ato mais tabu que um ator pornô pode realizar – mais radical, até, do que dupla penetração anal. O tema do sexo “extremo” se repete em “Pleasure”, levando a uma de suas declarações feministas mais opinativas: A busca do extremo pelo extremo neste filme parece legitimamente perigosa, uma espiral de pesadelo de degradação onde mulheres jovens ambiciosas são forçadas a escolher. entre os limites pessoais e o sucesso profissional.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta