Revisão da quarta temporada de O que fazemos nas sombras: um retorno fantástico à forma

0
34

Quando uma série de TV “O que fazemos nas sombras” foi anunciada, fiquei cético. É minha natureza geral; Eu sou cético sobre tudo. Não que eu achasse que o documentário de 2014 sobre um grupo de colegas de quarto vampiros não seria traduzido para a TV. De fato, o filme era altamente episódico e, portanto, perfeito para a TV. Mas meu ceticismo surgiu em torno da ideia de que o elenco de sanguessugas do filme – incluindo Jemaine Clement e Taika Waititi – seria muito difícil de substituir.

Claro, acabei por estar completamente errado. Na verdade, para suas duas primeiras temporadas, eu diria que a série de TV “O que fazemos nas sombras” realmente superou o filme que a inspirou. Isso se deve principalmente ao elenco fenomenal – Kayvan Novak como o ex-guerreiro Nandor, o Implacável, o casal Laszlo Cravensworth (Matt Berry) e Nadja de Antipaxos (Natasia Demetriou), o vampiro de energia Colin Robinson (Mark Proksch) e o longa-metragem de Nandor. sofrendo familiar (e um caçador de vampiros não tão secreto), Guillermo (Harvey Guillén). Esta equipe é consistentemente engraçada e assistir suas façanhas vampíricas resultou em alta comédia, principalmente ao longo das temporadas 1 e 2.

E então veio a terceira temporada. Claro, a terceira temporada da série teve seus pontos altos, e o elenco permaneceu simpático. Mas havia algo… desligado sobre a terceira temporada. A série expandiu sua mitologia para incluir um monte de coisas sobre o antigo Conselho Vampírico. Infelizmente, nada disso foi muito interessante, ou particularmente engraçado. Nem foi a adição de The Guide, um enviado do Conselho Vampírico interpretado por Kristen Schaal. Eu costumo achar Schaal uma artista agradável, mas ela simplesmente não clica aqui. Ela não consegue igualar a química abundante que existe entre os principais jogadores. Mas Schaal não foi realmente o problema com a 3ª temporada. Em vez disso, as coisas que tornaram o show tão engraçado para começar – a vida cotidiana mundana dos vampiros que vivem em Staten Island – foram desviadas. Resumindo, não gostei muito.

É por isso que tenho o prazer de dizer que a quarta temporada de “What We Do in the Shadows” é um retorno à forma. De fato, o episódio de estreia da temporada gasta uma grande parte do tempo essencialmente desfazendo tudo o que aconteceu no final da terceira temporada. E tudo bem.

Juntos novamente

A terceira temporada terminou com os personagens espalhados pelos ventos, indo em suas próprias aventuras separadas. Eu pensei que poderia levar algum tempo para eles se reunirem novamente, mas os escritores sabiamente perceberam que a interação entre todos é a chave para o sucesso do programa. Com certeza, quando a 4ª temporada começa, a turma rapidamente se reúne em sua casa (cada vez mais em ruínas) em Staten Island. Algumas coisas mudaram: Colin Robinson morreu na temporada passada, apenas para renascer como uma criança estranha que ainda tem a cabeça do ator Mark Proksch assustadoramente posicionada no pescoço de um ator infantil. Lazlo tem tentado criar a criança como “o adulto mais interessante que já existiu”, mas percebe que vai ser mais difícil do que o esperado quando o menino (Lazlo se recusa a chamá-lo de Colin Robinson) revela que ama *estreme* Teatro musical. Enquanto isso, o ex-Colin Robinson continua crescendo a um ritmo alarmante, passando de bebê a aluno do ensino fundamental em poucos dias.

Quanto a Nandor, ele está se sentindo sozinho e em busca de uma nova noiva – depois de pedir a Guillermo para ser seu padrinho antes mesmo de encontrar alguém para se casar. Guillermo como personagem permanece um pouco frustrante: não importa quantas vezes ele afirme que vai se defender, se afastar e parar de deixar os vampiros mandarem nele, ele sempre encontra uma razão para voltar ao seu antigo papel como familiar. . Ainda assim, é difícil culpar o programa por manter essa dinâmica quando funciona tão bem – Novak e Guillén são engraçados juntos.

Mas o verdadeiro MVP da série continua sendo Demetriou, cuja Nadja desequilibrada e frequentemente alheia é a que dá as maiores risadas. Tendo fugido de seus deveres no Conselho Vampírico na Inglaterra, Nadja quer transformar a sede do Conselho em Staten Island em uma boate de vampiros, completa com borrifos de sangue – como no filme “Blade”! Os primeiros quatro episódios fornecidos aos críticos lidam principalmente com esse enredo, enquanto Nadja e companhia lutam para tirar o clube do chão, enquanto o Guia continua hesitante em contrariar a tradição.

Solo Familiar

A 4ª temporada voltar aos velhos hábitos será uma bênção ou uma maldição, dependendo do que você achou da 3ª temporada. Se você queria ainda mais expansão das coisas do Conselho Vampírico, você ficará desapontado. Mas estou de acordo com o que vi aqui e espero que a temporada continue a melhorar com os erros da terceira temporada. Claro, há uma parte de mim que sabe que o show não pode apenas tocar os sucessos e me dar o mesmo de sempre; lá deve ser uma progressão, algo levando a história adiante, mesmo que ligeiramente. Mas o que posso dizer? Eu sou um otário para os confortos familiares de “What We Do in the Shadows”, e ter a história migrando de volta para um terreno familiar foi revigorante na sequência de uma temporada anterior mais ou menos.

Além disso, ainda há muito crescimento aqui. A cria de Colin Robinson não é apenas mais uma versão do Colin Robinson que já conhecemos; ele é um personagem completamente diferente, e talvez seja por isso que Lazlo tem tanta dificuldade em chamá-lo de Colin. E aqueles que desejam mais mitologia a obterão na forma do excelente episódio “The Night Market”, que leva os personagens (e nós) a um bizarro subterrâneo onde monstros de todas as formas e tamanhos se reúnem para negociar vários produtos macabros.

Mas por quanto tempo essa história pode continuar? “What We Do in the Shadows” já foi renovada por mais duas temporadas, então é lógico que os roteiristas já têm algumas ideias guardadas. Por enquanto, continuo apaixonado pela série, que me faz rir mais alto e por mais tempo do que a maioria das outras comédias da TV atualmente. A fonte de sangue pode secar eventualmente, mas por enquanto, estou feliz que a velha gangue de mortos-vivos esteja junta novamente.

A terceira temporada de “What We Do in the Shadows” estreia com seus dois primeiros episódios na terça-feira, 12 de julho de 2022 no FX e no dia seguinte no Hulu.

Leia a seguir: Os filmes de terror que mal podemos esperar para ver em 2022

O post Crítica da quarta temporada de O que fazemos nas sombras: um retorno à forma Fangtastic apareceu primeiro em /Film.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta