Hoje, o magistral “Happening” de Audrey Diwan cria uma perplexidade semelhante, mas talvez ao contrário. É um filme de época ambientado na França dos anos 1960, mas as dificuldades que seu protagonista desesperado passa para acessar um aborto ilegal e inseguro podem muito bem ser o novo e assustador futuro americano, com a Suprema Corte votando para derrubar os direitos ao aborto e o marco Roe v. Decisão de Wade.

Através de um toque artístico requintado no material (adaptado do romance autobiográfico de Annie Ernaux), o manuseio sutil de Diwan da época impulsiona muito a sensação desorientadora e atemporal do filme acima mencionada. Através de elementos de design de produção discretos, figurinos vividos e repetidos (realistas para personagens de meios financeiros limitados) e as lentes claras e amanteigadas do diretor de fotografia Laurent Tangy, a eternidade que Diwan almeja instantaneamente prova ser uma escolha estilística inteligente para um assunto e afirmação relevante para qualquer sociedade, em qualquer momento. Essa afirmação é assim: os direitos reprodutivos das mulheres são perenemente frágeis e a insistência do patriarcado em controlar as perspectivas das mulheres fora do casamento e da maternidade é a fonte dessa fragilidade.

Habitando nessa realidade está a silenciosamente desesperada Anne, interpretada pela sensacional Anamaria Vartolomei em uma performance silenciosamente imponente. Ela é uma estudante de literatura de classe média que espera uma carreira longa e saudável em seu campo. Mas ela está grávida, sozinha e sem escolhas. Trabalhando enquanto mãe em 1963? Não é uma opção. Um aborto? Naquele período francês, também impossível… a menos, é claro, que ela encontre uma rápida e confiável informação sobre um abortista ilegal sussurrado e espere que o procedimento seja feito por alguém com boa saúde e não por um açougueiro de beco.

Rapidamente, Anne descobre que sua situação significa solidão. Não há ninguém com quem ela possa conversar – em uma das muitas cenas reveladoras de “Happening”, uma amiga dela apressadamente encerra a conversa quando o assunto do aborto é mencionado, sem nem mesmo saber que Anne está grávida. A hesitação da jovem soa verdadeira. O menor sinal de suspeita, e as pessoas poderiam estar enfrentando consequências reais naquela época, como perder seus empregos, suas afiliações acadêmicas e até mesmo a prisão. Médicos e professores que cercam Anne estão igualmente sob a mira, independentemente de seus graus variados de simpatia por ela. Por medo, um médico atencioso se recusa a ajudá-la, apesar de ser um dos mais compreensivos. A fim de preservar a integridade de sua experiência com o suspense que Diwan cuidadosamente cria, não vou explicar aqui o que um outro antipático faz com ela.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta