Mas quem é Angelyne, afinal? A resposta, conforme postulada na série limitada de Peacock sobre a figura, é “o que Angelyne quer ser”. Baseado nos artigos de Gary Baum sobre Angelyne para O repórter de Hollywood e criado por Nancy Oliver (“True Blood”, “Six Feet Under”), “Angelyne” brinca com as linhas entre identidade e ilusão, e faz isso com toda a verve borbulhante da figura da vida real que está explorando. É uma coisa brilhante.

“Eu não sou uma mulher,” Angelyne (Emmy Rossum) murmura para si mesma nos momentos iniciais da série. “Eu sou um ícone.” Seus olhos estão fechados, sua entrega é certa; na linguagem dos nossos tempos, ela é manifestando. Ela molda sua realidade e, ao longo dos cinco episódios de “Angelyne”, essa necessidade de controle sobre sua própria autopercepção – e nossa percepção de ela – estende-se ao tecido estético do próprio show. O resultado é uma opus campestre piscante sobre o poder libertador da ilusão, e até onde você pode levar uma fantasia se conseguir que todos acreditem nela junto com você.

Cada um dos cinco episódios da série, dirigidos por Lucy Tcherniak (“The End of the F***king World”) e Matt Spicer (“Ingrid Goes West”, outro conto de uma mulher se reinventando em Los Angeles), em grande parte central se em torno das pessoas – principalmente homens – que foram sugados pela atração gravitacional de Angelyne e lançados do outro lado, apoiando os jogadores em sua trapos-para-riquezas-para-??? história. Há Freddy (Charlie Rowe), o roqueiro himbo cuja banda de rock em ascensão Angelyne Yokos entra, e prontamente destrói para construir publicidade para si mesma. Há Harold Wallach (Martin Freeman), o impreciso impressor de outdoors que se torna o empresário de Angelyne por pura força de vontade; Max Allen (Lukas Gage), que tentou filmar um documentário sobre ela em seus últimos anos sem sucesso; Jeff Glasner (Alex Karpovsky), a versão ficcional de Baum que tenta investigar desapaixonadamente seu passado; A lista continua. Freqüentemente, cortamos a ação para entrevistas estilizadas, ao estilo de Errol Morris, explicando as maneiras pelas quais Angelyne os evitou ou os machucou.

Mas então! “Eca, nojento,” Angelyne faz beicinho em resposta a um detalhe particularmente lascivo. “Isso fez não acontecer.” Ela assume o controle da narrativa novamente e, de repente, estamos vendo as coisas de sua perspectiva cuidadosamente selecionada. Ela é o tipo de mulher que inventou a si mesma, sua vida e sua personalidade do nada, e usou seu magnetismo para escapar de qualquer explosão inconveniente de realidade que possa invadir. “Angelyne” percebe isso em detalhes sombrios e engraçados, até personagens de seu passado enigmático que aparecem na tela no momento em que ela decide que eles não existem.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta