A reservada e solitária Suzu vive em um campo idílico, onde a linha de ônibus, a partir deste verão, será descontinuada em breve. Além da escola, onde poucos a notam, U é sua saída para o mundo exterior. O inteligente e cínico Hiro (dublado por Ikura) é seu melhor amigo, seu único amigo. Quando ela era criança, a mãe de Suzu morreu ao tentar salvar uma menina encalhada de um rio furioso. Como resultado, a agora com 17 anos luta para cantar em público e está distante de seu pai. Somente em U, onde ela se torna a radiante Belle, a estrela mais popular da plataforma, ela pode encontrar forças para cantar.

Logo descobrimos como Suzu está desempenhando um papel. Veja, cada avatar neste aplicativo de compartilhamento de corpo é criado a partir das informações biométricas exclusivas de cada usuário. Quando Suzu criou seu perfil, ela enviou uma foto de grupo que incluía Ruka (dublada por Tina Tamashiro), a garota mais popular e atraente de sua escola, tornando Belle à sua imagem.

Hosoda, no início de “Belle”, inclui referências de “A Bela e a Fera” de maneiras simples. A popularidade online de Suzu aumenta até que uma criatura machucada e encapuzada chamada The Dragon, seguida por um grupo de autoridades conhecidas como Justices, atravessa seu show U. Os juízes, um bando de valentões musculosos vestidos como super-heróis, querem desvendar a verdadeira identidade do Dragão por causa da maneira como ele luta, aparentemente socando oponentes no Salão de Artes Marciais dos EUA por raiva e não por esporte. Sentindo uma dor interior que o está alimentando, Suzu se apaixona por Dragon e se coloca em oposição direta aos Justices.

“Belle” envolve o mito clássico em tropos familiares sobre adolescentes que se apaixonam pelo ensino médio: o amigo de infância de Suzu, o bonito e popular Shinobu (dublado por Ryô Narita), por exemplo, é uma dessas chamas cujo calor sempre parece fora de alcance ( não ajuda que ele se veja nauseantemente como seu protetor quando ela não precisa de um). Qualquer comentário que o filme tente fazer sobre a cultura online nunca ultrapassa o comum: a internet existe para alguns como um repositório terapêutico para curar a dor e a perda, e um cenário tóxico para queixas e intimidações.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta