A Declaração do Soldado de Sassoon é lida no início do filme. Sua recusa em retornar ao front deveria ter resultado em sua corte marcial, onde suas objeções teriam sido lidas nos autos do julgamento por lei. Em vez disso, devido aos amigos de sua família em lugares altos, Sassoon é enviado contra sua vontade para um hospital psiquiátrico para curar seu “colapso”. O poeta frequenta sessões de terapia com o Dr. Rivers (Ben Daniels), onde revela seu desejo pelo “amor que não ousa falar seu nome”. Surpreendentemente, o médico revela não apenas sua própria homossexualidade, mas uma propensão a explicações poéticas. “Por que você tem que fazer coisas ruins parecerem tão bonitas?” Sassoon pergunta por um dos diálogos mais pungentes de Davies.

Sassoon também conhece o poeta Wilfred Owen (Matthew Tennyson), que edita a revista literária do hospital. Owen é tímido, gagueja um pouco e quer impressionar seu novo amigo com seus poemas. Sassoon é inicialmente crítico, até que Owen o presenteia com um trabalho tão bom que parte seu coração. Como parte de sua terapia, a dupla pratica dança de salão, que Davies filma com um olhar terno e erótico. (Uma cena em uma piscina também merece esse olhar.) A implicação romântica é tudo que o espectador consegue aqui, embora os sentimentos sejam tão palpáveis ​​que são quase táteis. Os olhares rápidos e furtivos e os silêncios constrangedores são lindamente reproduzidos, levando-nos a acreditar corretamente que isso não terminará bem.

Owen é liberado para retornar à frente, onde é morto em batalha. A cena em que ele se despede de Sassoon é uma aula de mestre nas emoções discretas e muitas vezes não ditas que são a especialidade de Davies. Tennyson e Lowden são fantásticos, com o último implorando “você pode, por favor, ficar um pouco mais” apesar de saber que não é possível. Essa relação e seu desfecho vão assombrar o filme; Owen é mais um dos homens que Sassoon não conseguiu salvar na batalha, destacando a principal razão pela qual ele originalmente se opôs a retornar à frente. Ele vai honrá-los com sua poesia. O uso de imagens de noticiários em preto e branco por Davies sob as palavras de Sassoon ilustra isso poderosamente.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta