“Beast”, um veículo estrela de Kollywood (Tâmil) para Vijay, ainda parece diferente, mesmo que apenas por quão vigorosamente seus criadores tentam vender sua liderança como um homem renascentista do século XXI. Vijay (“Mestre”) pode dançar um pouco, dirigir um carro por várias superfícies de vidro e também decapitar um terrorista e depois jogar a cabeça sem corpo daquele cara de uma janela alta. Para não falar da cena em que Vijay coloca um conjunto de patins e, literalmente, patina em círculos em torno de um grupo de extremistas usando máscaras.

A auto-imagem de todas as coisas para todos de Vijay é celebrada por toda parte, como no refrão de uma música de hino que saúda o herói de bochechas de esquilo como “mais magro, mais malvado, mais forte”. Um número conclusivo também descreve Vijay como um “tigre multifacetado com um avatar multifacetado”. Neste ponto do filme, Vijay está voando de volta do Paquistão em um avião a jato militar emprestado, tendo acabado de massacrar independentemente um acampamento terrorista.

Em “Beast”, Vijay interpreta Veera, um ex-membro super-humano da agência de inteligência Ala de Pesquisa e Análise (RAW) da Índia. Veera se aposentou do RAW onze anos antes dos dias atuais do filme: em um flashback introdutório, Veera involuntariamente explode uma garotinha com um lançador de foguetes. Olha, não tem como fazer esse enredo parecer menos louco do que é, então vamos fazer uma quebra de parágrafo.

Ok, então Veera agora é extremamente sensível com crianças, o que explica por que ele só volta à ação depois que ele, agora trabalhando para uma empresa de segurança falida, ouve os gritos de crianças angustiadas depois que os terroristas da ISS no estilo ISIS assumiram o East Coast Mall de Chennai. . Esses terroristas são implacáveis, como podemos ver pela maneira que um deles dá as costas a uma senhora e traumatiza uma garota chorando. (entre outras coisas) os terroristas da ISS são liderados por Saif (Ankur Ajit Vikal), que passa a maior parte do filme usando uma máscara de látex que se assemelha estranhamente a Anton LaVey, e seu cúmplice traidor, o ministro do Interior sem nome do governo indiano (Shaji Chen), como vemos em uma cena inicial.

A natureza caricatural implacável dos caras de Saif é um dado adquirido. Ou talvez não seja enfatizado com tanta frequência quanto as contramedidas igualmente brutais de Veera. Também não há nada de apologético ou conflitante sobre a violência no filme, que é efetivamente jogado por diversão em um punhado de cenas de ação intensiva. Em uma cena inicial, Veera também corta o braço de um vilão mascarado pela articulação do cotovelo. E ele esfaqueia dois terroristas da ISS até a morte na frente de uma platéia cativa de reféns de shopping. Entre assassinatos, Veera se finge de morto para fingir sua segunda vítima. “Isso tudo é normal”, ele diz aos reféns depois de esfaquear o segundo cara na cabeça. A multidão parece acreditar em Veera já que, em uma cena posterior, um civil muito nervoso (o prolífico comediante tâmil Yogi Babu, é claro) é espancado por terroristas da ISS, mas se recusa a delatar Veera.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta