Revisão do filme Flux Gourmet e resumo do filme (2022)

0
30

O trio de artistas é liderado pela egocêntrica e intransigente Elle di Elle (Fatma Mohamed). Junto com seus parceiros Billy (Asa Butterfield) e Lamina (Ariane Labed), Elle apresenta peças de arte performáticas provocantes para uma multidão bajuladora. Uma peça a mostra murchando no chão nua, coberta por um fluido vermelho viscoso, fingindo ser um porco sendo abatido por continuamente estourando na testa com um microfone, enquanto Billy e Lamina surgem com sons estridentes ao fundo.

Inabalável e teimosa, Elle bate de frente com todos com quem entra em contato. Ao longo do filme, ela está travada em uma batalha de vontades com Jan Stevens (Gwendoline Christie), a diretora extravagantemente vestida do instituto. Quando Stevens sugere abaixar o volume no pedal flanger durante a performance do porco acima mencionada, Elle se recusa – mesmo que ela não tivesse ideia do que é um flanger até Stevens falar sobre isso.

Tudo isso está acontecendo enquanto Stones está silenciosamente passando por alguns problemas de saúde. Com um mau cheiro emanando de sua boca e refluxo ácido em seu sistema digestivo, ele está em constante estado de desconforto. Ele passa seus dias e noites apenas tentando não quebrar o vento de uma forma barulhenta e malcheirosa.

Sim, “Flux Gourmet” é estranho. Distribuído pela IFC Midnight (também conhecida como a parte da IFC Films especializada em filmes de gênero e todas as coisas WTF), “Flux Gourmet” está sendo comercializado como uma espécie de show de terror doentio. Mas muito do que acontece, não importa o quão perturbador e/ou desconcertante seja, é jogado por risos satíricos.

O roteirista/diretor Peter Strickland (“The Duke of Burgundy,” “In Fabric”) parece estar passando por maus bocados enviando ambos os chamados artistas e as pessoas que os habilitam. (Ele também está realmente empurrando o conceito de catering sônico, algo que ele vem fazendo com sua banda há anos.) Não importa quão chocantes ou pegajosas as performances de Elle sejam, o público está lá para dar amor a ela – literalmente. Os shows geralmente terminam com ela e seus colegas de banda tendo uma intensa orgia com a multidão. (Stones está à margem, sentado em uma cadeira, tomando notas.)

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta