Claro, todo grande herói precisa de um grande ajudante. “Lightyear” nos dá Sox (Peter Sohn), um gato adorável cujo trabalho é oferecer apoio emocional a Buzz. Sox fala em tons suaves, uma espécie de cruzamento entre Baymax e HAL de “Big Hero 6”, e vai ronronar se você coçar a barriga dele. Ele é excepcionalmente bom em cálculos e ocasionalmente faz um barulho que soa como “Be-boop, be-boop, be-boop!” Como qualquer gato, Sox está cheio de surpresas hilárias e sinistras. Se o plano da Pixar era criar um personagem cujo brinquedo saísse voando das prateleiras, eles tiveram sucesso. Ele tem uma cena no filme — você saberá quando assistir — que provocou audíveis suspiros de pânico no cinema. Eu não sou uma pessoa de gatos, mas eu estava tão apaixonada por Sox que eu queria – você está zombando de mim, não está?

Não importa. No que diz respeito aos spin-offs, “Lightyear” é muito divertido. O talento de voz é de primeira linha, especialmente Palmer e Evans. Eles têm sapatos grandes para preencher; Palmer tem que construir o vínculo emocional que Aduba criou, e Evans tem que nos dar um Buzz Lightyear que é próximo o suficiente da caracterização de Tim Allen para nos fazer acreditar no brinquedo do filme. Sohn é perfeitamente felino e Bill Hader se diverte com seu pequeno papel como um novato com um sobrenome difícil de pronunciar. Quando Zurg finalmente aparece, ele é dublado com uma alegria enlouquecida pelo próprio Sr. Barbara Streisand, James Brolin. Inferno, se o filho dele pode interpretar Thanos, acho que ele pode interpretar Zurg.

Depois do medíocre “Toy Story 4”, eu cansei dessa série, tanto que esperava fazer uma crítica negativa. Nas palavras imortais de Buzz Lightyear, “Hoje não!”

“Lightyear” estará disponível apenas nos cinemas em 17 de junho.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta