E, no entanto, enquanto Copley está na tela por quase a totalidade de “Ted K”, que segue Kaczynski nos anos que antecederam sua prisão, o próprio homem permanece inerentemente desconhecido – temível e fascinante, mas fora de alcance. Seu desempenho é bem enrolado e cada vez mais agitado, enquanto Ted luta para manter a compostura e se atreve a executar atos cada vez mais violentos contra aqueles que ele vê como seus agressores. “Tenho um plano de vingança”, diz ele na narração nasal de seus diários. “Quero matar algumas pessoas, de preferência um cientista, comunista, empresário ou algum outro figurão.” O que ele pensa é claro; quem ele é, menos.

Isso é provavelmente por design. Apesar dos atos chocantes exibidos em “Ted K”, nos sentimos meio confusos enquanto vagamos pela floresta com Kaczynski, vendo-o correr sem camisa e atirar em helicópteros. Stone favorece o mais sutil dos empurrões em seu assunto, ou usa câmera lenta para contrastar com o significado de um momento da verdade, como quando Kaczynski envia um de seus pacotes mortais e explosivos com “Galo” do Alice in Chains tocando no fundo. O barulho de cortar, serrar e tosquiar da indústria madeireira próxima cria um ritmo irritante. E a trilha sonora de sintetizador do compositor britânico Benjamin John Power, conhecido como Blanck Mass, contribui muito para a vibração hipnótica geral do filme. Assim como o barulho em torno de Kaczynski aumenta para uma cacofonia de pânico, também a música e o design de som crescem para aumentar nosso sentimento de ansiedade.

Mas alguns dos momentos mais tensos do filme são, na verdade, os mais mundanos, como quando Kaczynski confronta um funcionário da companhia telefônica sobre a perda de moedas no telefone público. Um avião cruza o céu azul, quebrando o devaneio de sua paz e tranquilidade, e você pode sentir a raiva crescendo dentro dele. E uma viagem aparentemente inócua à biblioteca local revela que ele está procurando os nomes e endereços de executivos de tecnologia para atingi-los.

Cada vez mais, porém, Stone confia em sequências de fantasia para significar a ruptura de Kaczynski com a realidade e a sanidade, o que parece desnecessário. Vemos uma mulher bonita e agradável chamada Becky (Amber Rose Mason) que aparece magicamente e por acaso está interessada em todas as coisas que ele gosta de fazer, como andar de bicicleta e pescar. Já sabemos que ele é solitário – ele reclama da pouca experiência que teve com mulheres em seus telefonemas agitados e unilaterais com sua mãe e irmão – mas a chegada dessa figura ensolarada e imaginária ao casulo mal-humorado de Kaczynski se torna uma distração.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta