O sempre sólido Pine interpreta o sargento das Forças Especiais James Harper, um agente de elite com um joelho ruim que é dispensado do Exército dos EUA e vê as contas se acumularem com sua esposa Brianne (Gillian Jacobs). É quando seu ex-companheiro de esquadrão e bom amigo Mike (Ben Foster) faz uma proposta. Mike tem feito operações fora dos livros para um veterano chamado Rusty Jennings (Kiefer Sutherland). O dinheiro é bom, os empregos são rápidos e isso dará a James um propósito novamente enquanto sustenta sua família. Como Mike diz: “No final, somos todos apenas mercenários”, dando ao ato de abertura de “O Empreiteiro” algum material dramático de peso que o resto do filme não cumpre. É fácil pensar na última vez que Pine & Foster estrelou um drama que dependia da mentira do sonho americano. Se “Hell or High Water” foi a versão ocidental desse conceito, esta é a inspirada em Tom Clancy.

O problema é que o escritor JP Davis e o diretor Tarik Saleh parecem ter medo de fazer algo interessante ou inesperado depois de colocarem suas peças no lugar. Não é de surpreender que a missão para a qual James e Mike foram contratados exploda na cara deles. E apenas as pessoas que nunca viram um filme antes ficarão surpresas ao saber que Rusty não está lhes contando tudo o que precisam saber. Em última análise, “O Empreiteiro” torna-se uma rotina deprimente. A ação não é encenada de maneira interessante, e o enredo tem menos reviravoltas em seus 100 minutos do que a média de um único episódio de um drama de espionagem. Tudo parece uma preparação, preparando as pessoas para uma série de uma franquia de filmes, mas tão narrativamente fina por si só que você poderia contar o enredo em 15 palavras ou menos.

Isso tudo significa que o elenco tem que fazer muito trabalho pesado para levar esse filme básico a duas estrelas, o que eles fazem. Eles são os verdadeiros mercenários aqui, pois Pine encontra uma tristeza que equilibra a abordagem heróica que atores menores teriam tomado e prova que ele ainda tem uma ótima química com Foster. Nina Hoss está tristemente desperdiçada em uma pequena parte, mas Eddie Marsan tem uma ótima cena que quebra o tédio do segundo tempo com sua estrutura de quase captura / fuga enquanto James tenta encontrar o caminho de casa.

Além de uma notável falta de ambição, não há nada explicitamente errado ou terrível em “O Empreiteiro”. Ele marca as caixas para o que parece ser um público mais velho que sente falta dos dias em que os filmes de ação eram feitos sobre heróis americanos em vez de super. Honestamente, aqueles observadores de filmes merecem melhor também.

Nos cinemas, em VOD e na Paramount+ hoje.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta