Embora feito antes da pandemia, é incrivelmente difícil não ver “The Pink Cloud” pelas lentes dos últimos anos. As coincidências podem ser marcantes, como quando uma amiga de Giovana, presa enfrentando os anos de quarentena sozinha porque o namorado estava fazendo recados quando a nuvem chegou, lamenta: “Como é que ninguém tem uma solução? Uma máscara, algo que nos permite sair, sabe. Para ver as pessoas.” Há momentos como esses em que a estranheza é bastante fascinante. Infelizmente, no geral, particularmente mais tarde, essas semelhanças tornam-se desvinculadas – uma abstração de uma realidade com a qual estamos cansados ​​de nos envolver em qualquer contexto, mesmo que seja coincidência.

“A Nuvem Rosa” é o longa de estreia do roteirista/diretor Iuli Gerbase, e o cineasta brasileiro demonstra um olhar definido e uma voz distinta como contador de histórias visual. As imagens ressoam com intencionalidade; nenhum tiro parece garantido no que diz respeito à estética. Infelizmente, exatamente o oposto poderia ser dito sobre a narrativa – esse é o tipo de filme em que a estética supera todas as outras preocupações a ponto de se tornar uma falha. “The Pink Cloud” acaba sendo uma coleção de cenas unidas por um tom e temas coerentes, em vez de parecer uma narrativa que se constrói em algo maior do que a soma de suas partes.

Os personagens estão tragicamente distanciados uns dos outros na eterna quarentena de “The Pink Cloud”, mas também são mantidos longe demais do público para que essa tragédia ressoe em um nível emocional. É um filme que é fácil de admirar esteticamente e apresenta algum interesse para se envolver intelectualmente – mesmo que se torne repetitivo nessa frente – mas, apesar de todas as suas imagens claustrofóbicas, você ironicamente não consegue se aproximar de Giovana ou Yago.

Este é um recurso lindo, mas também há um lindo curta que poderia ser facilmente cortado desse recurso que teria exatamente o mesmo impacto em um terço do tempo de execução. A intencionalidade e o olhar editorial que tornam o estilo deste filme tão atraente parece muito ausente do roteiro, que é ao mesmo tempo disperso e repetitivo. Ele fica obcecado e depois perde o interesse, talvez melhor ilustrado pelo uso do filho de Giovana e Yago, que é incrivelmente conveniente de todas as maneiras que uma criança real não é. A criança está presente quando o filme quer demonstrar o casal central interpretando família feliz – ou família desesperadamente infeliz – e facilmente ausente quando não é relevante para a sequência em questão, mesmo quando a sequência em questão envolve transformar a casa em uma boate de faz de conta, luzes estroboscópicas e música estridente incluídos.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta