Talvez porque o filme seja limitado a algo novo a dizer, ele se mantém ocupado com seus muitos temas amplos relacionados à sua angústia, sobre identidade, família, comunidade, amizade, lealdade, orgulho, etc. relacionamento distante com sua mãe, que é inflamado pela perda repentina de seu pai; sua avó (Ellen Burstyn) luta para sair da casa da família, apesar do constante incentivo de seu parceiro (Louis Gossett Jr.); Dara, de 18 anos, tem um relacionamento com seu chefe no trabalho (Judy Greer) que é tão escondido quanto uma porta entreaberta. E enquanto participa de sessões de apoio a homens que vivem com HIV, ele conhece um jovem mais reservado chamado Estha (Viveik Kalra), que também aguarda resultados e cuja homossexualidade é um segredo para seus pais.

A trama em “Três Meses” joga todas as idéias possíveis na parede apenas para ver o que gruda. Mas para um filme que já não tem a vitalidade anunciada com sua abertura colorida e guiada por Little Richard, assistir todas as várias lições da vida de Caleb desmoronar à medida que entra no terceiro ato se torna especialmente trabalhoso; que Frieder não faz nada particularmente sábio com sua lista inchada de bons atores coadjuvantes torna isso pior. Para uma história que já luta para aplicar tensão suficiente em seu dispositivo de enredo titular, esses conflitos estranhos têm pouco efeito. Tira a potencial doçura emocional do filme, quando já conta com tantos clichês e situações esperadas.

É uma pena que haja tantos momentos fracos na história, pois ela tem elementos de calor marcantes, direcionados em relação às suas performances. Kalra, vista anteriormente no filme de Bruce Springsteen “Blinded by the Light”, tem algumas fortes batidas emocionais que dão profundidade a um personagem dócil que aborda sua própria questão com vergonha. E as cenas com o grupo de apoio de Caleb também podem ser cativantes, lideradas por um médico (Javier Muñoz) que dá as boas-vindas a Caleb e ajuda a mantê-lo calmo.

Escrito e dirigido por Jared Frieder, “Three Months” prova ser um veículo de estrela terrivelmente instável para o cantor-estrela do YouTube Sivan, em seu primeiro grande papel principal depois de um papel coadjuvante em “Boy Erased” de 2018. Parte do problema aqui vem do personagem, cuja própria personalidade só pode ser imaginada em diálogos sarcásticos ou em sua coleção de camisetas vintage. Aprendemos até que os sonhos de Caleb envolvem ir para a Parsons School of Design, embora haja pouca ênfase no que ele faria lá. Ao mesmo tempo, Sivan ainda não tem uma presença dramática dinâmica, mesmo nos momentos vulneráveis ​​destinados a cortar o exterior duro de Caleb e torná-lo mais relacionável.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta