Depois de tudo o que aconteceu com Villanelle e Eve, algum deles pode mudar? Ambos os personagens gostariam de esperar que sim, ou pelo menos é o que estão dizendo a si mesmos. Eve não está mais trabalhando para o governo e jura que não se importa mais com Villanelle. Em vez disso, ela conseguiu um emprego em uma empresa de segurança privada ao lado de Yusuf (Robert Gilbert), seu parceiro e amante ocasional. Eve usa esse novo trabalho em sua busca para rastrear os Doze, a organização misteriosa e consistentemente vaga que recruta e explora assassinos. Villanelle já foi uma das principais agentes dos Doze, mas agora está fora do jogo. Ou então ela diz a si mesma. Ela encontrou a religião – ou pelo menos, ela é tentando para encontrar a religião. Ela está prestes a receber seu primeiro batismo. Mas é tudo para mostrar – ela convida Eve para participar da cerimônia e, quando Eve não aparece, Villanelle quase imediatamente abandona qualquer pretexto religioso (e começa a matar novamente).

Ela rastreia o especialista em psicopata Martin (Adeel Akhtar) e tenta fazer terapia. “Eu não gosto do jeito que me sinto”, ela diz a ele. “Eu me sinto uma merda, o tempo todo.” Ela também diz: “Sou uma pessoa má que está tentando ser boa”. Mas ela é? Ou ela está apenas tentando impressionar Eve? Quando perguntada sobre o que ela quer de Eve, Villanelle responde sonhadoramente: “Para cheirar sua pele”. Ela não consegue se livrar de Eve e parece não entender o porquê.

Quanto a Eve, quando o assunto de Villanelle surge, ela rapidamente diz que Villanelle “não é mais seu trabalho”. E mais tarde, quando ela e Villanelle se reencontram, ela pergunta ao assassino: “Você conhece a história do escorpião e do sapo?” “Eles ligam?” Villanelle oferece hilariamente (e esperançosamente). “Não,” Eve atira de volta. “Ambos morrem, porque o escorpião não pode mudar.” Nesse ponto, Villanelle muda as coisas dizendo a Eve: “Talvez você é o escorpião.”

A interação entre Oh e Comer continua sendo o destaque de “Killing Eve”. Comer continua a ter o papel mais chamativo (há um episódio aqui em que a vemos se imaginando como Jesus Cristo, completa com uma barba falsa e botas douradas brilhantes), mas os olhares sutis e tranquilos que Oh oferece em quase todas as suas cenas são hipnóticos. Ela faz tanto falando tão pouco. E os dois artistas ainda têm uma grande química juntos, o que só torna a insistência do show em mantê-los separados ainda mais frustrante. Não estou dizendo que “Killing Eve” precisa imediatamente jogar a cautela ao vento e transformar Eve e Villanelle em um casal completo. Mas seria bom se a série encontrasse mais maneiras de ter Oh e Comer compartilhando a tela com mais frequência. Em vez disso, a série se contenta em tê-los em suas próprias missões secundárias enquanto verifica continuamente com personagens menos interessantes.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta