Kirby trabalha no Chicago Sun Times– o programa usa a Windy City maravilhosamente – e ela faz parceria com um jornalista alcoólatra chamado Dan Velazquez (Wagner Moura) para tentar descobrir se o homem que a atacou é o mesmo responsável pelo assassinato de uma garota local. Ao montar o caso, eles começam a descobrir coisas que não fazem sentido físico, como um item de uma vítima sendo encontrado no corpo de uma de muitos anos antes. E a caixa de fósforos encontrada em Kirby de um lugar que não existe… ainda. Acontece que Harper não segue as regras do tempo e do espaço, e sua próxima vítima, Jin-Sook (Phillipa Soo) pode ser incapaz de parar o futuro que ele já viu.

“Shining Girls” é um tesouro temático em como descompacta o impacto do trauma que mudou a realidade e Moss está mais do que à altura do desafio de um papel difícil como este. No começo, seu desempenho parecia um pouco educado demais para mim, mas ela se ajusta à intensidade à medida que Kirby se torna mais confiante no fato de que ela não está apenas enlouquecendo. Moss é simplesmente uma das melhores atrizes de sua geração, o tipo de performer que consegue vender uma premissa tão fora de série quanto esta. Ela é habilmente equilibrada por Jamie Bell, que faz alguns dos melhores trabalhos de sua carreira em uma performance verdadeiramente ameaçadora e aterrorizante. Harper é o tipo de serial killer que não se esconde nas sombras – ele persegue abertamente suas vítimas com uma confiança que beira Christian Bale em “American Psycho”. Há algo em sua escolha de sotaque e entrega quase encantadora que é arrepiante. Perseguidores e abusadores às vezes podem sentir que controlam o mundo. Este realmente faz.

Se há um problema com “Shining Girls”, e é um grande problema, este é mais um daqueles projetos que eu gostaria que fosse feito uma década atrás como um longa-metragem. Tem muitas ótimas ideias e duas performances estelares, mas há muito pouca justificativa para ser uma série episódica e parece que a maior parte do alongamento narrativo ocorre nos primeiros episódios, enquanto os escritores giram suas rodas quando precisam acertar o chão correndo. É o tipo de coisa que inegavelmente teria sido um thriller de grande sucesso há duas décadas e, embora possa receber mais atenção como “Prestige TV”, não consegue preencher uma temporada, o que leva a alguns arrastar e repetir. duas coisas que matam qualquer thriller.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta