Stranger Things termina com um par de episódios confuso, mas divertido | TV/Streaming

0
49

Existe uma lógica em dividir os episódios dessa maneira? Por que não ter apenas quatro episódios de uma hora? Talvez tornando o episódio final tão longo quanto o filme médio da Marvel, faça o confronto final parecer muito mais épico em escopo e parecer mais “importante”, especialmente se você tiver que esperar um mês extra por isso. É uma maneira de manter o programa em conversa ao longo do verão, em vez de apenas algumas semanas antes que as pessoas mudem para outra coisa.

O Capítulo Oito (“Papa”) não parece um novo começo, mas uma continuação lógica do Capítulo Sete (“O Massacre no Laboratório Hawkins”). Nenhum novo personagem é introduzido e as referências da cultura pop ficam em segundo plano, enquanto os personagens permanecem o foco principal. De qualquer forma, os retornos de chamada desta vez têm mais a ver com as temporadas anteriores, pois nossos heróis precisam usar o que aprenderam anos atrás para ajudá-los a sair ou entrar em uma situação ou cenário, mas não sem resolver seus sentimentos internos primeiro. .

Na verdade, os melhores momentos desses dois últimos episódios são as cenas em que os pares de personagens apenas trabalham com seus amores, negações, desgostos e confusões. Lembra como Noah Schnapp (que interpreta Will Byers) foi bom nessas duas primeiras temporadas? Na primeira parte de “Stranger Things 4”, ele parecia relegado ao banco de trás do carro o tempo todo, enquanto parecia deixado de fora de tudo. Aqui, ele finalmente consegue ser seu personagem novamente e nos lembra por que ele é importante.

“Papa” tem algumas revelações que valem a pena mais tarde, mas basicamente, Eleven ainda está no laboratório com Dr. Martin “Papa” Brenner (Matthew Modine) e Dr. para lidar com a determinação de Eleven de sair e ajudar seus amigos. Mike (Finn Wolfhard), Will, Jonathan (Charlie Heaton) e Argyle (Eduardo Franco) ainda estão a caminho para tentar encontrar o laboratório onde Eleven está detido. Na União Soviética, Joyce (Winona Ryder), Murray (Brett Gelman), Dmitri (Tom Wlaschiha) e Yuri (Nikola Djuricko) ainda estão na prisão lutando contra um demogorgon e agora precisam descobrir uma maneira de voltar para os Estados. De volta a Hawkins, Dustin (Gaten Matarazzo), Lucas (Caleb McLaughlin), Erica (Priah Ferguson) Eddie (Joseph Quinn), Max (Sadie Sink), Steve (Joe Keery) e Robin (Maya Hawke) estão fora do Mundo Invertido , mas como você se lembra, Nancy acabou voltando e agora tem uma mensagem de Vecna ​​(Jamie Campbell Bower) que ele quer compartilhar com Eleven.

Isso é o mais detalhado que posso obter, é claro. O Capítulo Nove (“The Piggyback”) tem um tempo de execução de duas horas e meia que deve unir tudo de uma vez por todas, mas esses dois últimos episódios fazem um bom trabalho ao reduzir a ação a quatro tópicos básicos (em vez disso, dos oito ou nove que tivemos nos Capítulos Cinco a Sete). Como acontece a cada temporada, não importa o quão separados todos estejam, todos parecem descobrir e participar do mesmo plano ao mesmo tempo, para que tudo fique bem. É uma conveniência de enredo que os irmãos Duffer de alguma forma conseguem fazer na escrita, mas desta vez faz uma edição desajeitada em alguns pontos. Peter Jackson sempre se deparou com isso com seus filmes de “O Senhor dos Anéis”, mas porque continuamos investidos nos personagens e na ação, parece uma inevitabilidade que vem com o território.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta