“The Banishing” de Christopher Smith, com estreia hoje no Shudder após uma breve corrida fest, tem o estilo imponente e o tom de uma peça clássica de época, mas também é meio insano. Ele combina o que se esperaria de algo como “The Haunting of Bly Manor” (e há uma dose de “Oculus” de Mike Flanagan ao longo do caminho também) com elementos retirados da pia da cozinha giallo, e tudo desaparece na névoa britânica. Apesar de alguns fortes valores de produção e performances, o filme de Smith simplesmente cruza o caminho para a incoerência e não o tipo de incoerência surreal de David Lynch que define um tom, mas o tipo de edição ou reescrita incoerência que faz com que as pessoas se perguntem o que mais está no Shudder.

Como a maioria dos filmes sobre casas mal-assombradas hoje em dia, “The Banishing” é supostamente baseado em um local real, mas este é notoriamente a mais mal-assombrada das casas mal-assombradas na Inglaterra, Borley Rectory. Depois de um prólogo surpreendente que sugere um filme que realmente não segue – Smith tem o hábito de fintar em uma direção e depois ir em outra, geralmente menos interessante – “O Banimento” apresenta o novo vigário na cidade, um homem chamado Linus (John Heffernan, não fazendo quase nada em termos de performance), que veio para Borley com sua nova esposa Marianne (Jessica Brown Findlay) e sua filha Adelaide (Anya McKenna-Bruce). Claro, não demorou muito para que ‘Addie’ (um nome gritado cerca de 400 vezes durante o filme) fizesse um amigo imaginário e Marianne estivesse ouvindo coisas estranhas no meio da noite.

A maior parte de “O Banimento” consiste em Marianne enfrentando os demônios que emergiram da história manchada de Borley, e ela conhece um vidente local chamado Harry Price, que é interpretado por Sean Harris como se ele estivesse em um filme totalmente diferente e superior. Como fez no passado, Harris busca o tipo de registro assustador que poderia ser chamado de irreal, mas ele entende que este filme precisa desse tipo de sacudida de energia estranha para entrar na pele do espectador. E graças a Deus, porque muito do que está ao redor de Harris é simplesmente chato e mofado. Muitas vezes parece que “The Banishing” precisava ir para Full Argento e Smith é um cineasta muito cauteloso para fazê-lo. É enfadonho quando precisa ser terrivelmente conflituoso.

Uma falha fatal de “O Banimento” é que os personagens centrais presos nesta casa mal-assombrada não são envolventes. Diga o que quiser sobre as fraquezas de Flanagan, ele entende que o personagem é a chave. Temos que nos preocupar com as pessoas sendo assombradas ou parecerá vazio. O mesmo se aplica a inspirações óbvias neste projeto, como “Os Inocentes” ou “Os Outros”. Tente o quanto quiser dar ao seu não-personagem um pouco de gravidade, Findlay simplesmente não é memorável e Heffernan é ainda mais um não-personagem, alguém cujo histórico e motivos nunca parecem definidos. Você sabe que um filme está com problemas quando os personagens secundários fora da casa mal-assombrada são mais envolventes do que os protagonistas presos nela. Você quase começa a torcer pelos fantasmas.

Não ajuda que a linguagem visual de “O Banimento” pareça estar constantemente trabalhando contra a narrativa. Este é um conto que mergulha em dimensões alternadas e tem espelhos que refletem outras realidades, mas a cinematografia muitas vezes escolhe o ângulo errado – um momento clímax é surpreendentemente filmado de uma forma que drena a tensão em vez de amplificá-la – e a edição se arrasta em vez de acumulando vapor ou atmosfera. Há uma linha tênue entre evitar pulos de susto e criar uma rotina de sensação assustadora. Oh, apenas a velha casa Borley de novo. Este filme parece quase clínico fora da performance cuco de Harris (e um pouco do cenário de boas-vindas de John Lynch), o que é quase uma façanha, visto que o roteiro também contém nazistas, fantasmas, figuras encapuzadas, amigos imaginários, bonecos assustadores, realidades espelhadas , e detalhes de enredo malucos o suficiente para que alguém pensasse que a abundância deles poderia gerar algum ímpeto. Um estaria errado.

On Shudder hoje, 15 de abril.

Fonte: https://www.rogerebert.com/reviews/the-banishing-movie-review-2021

Deixe uma resposta