O que se esconde em “A Casa”? Esta antologia em stop-motion absolutamente encantadora e frequentemente perturbadora chega hoje à Netflix e, embora o ano tenha acabado de começar, acho que pode ser o primeiro grande filme de 2022. Hipérbole? Possivelmente. Mas quando um filme aparece do nada e me enfeitiça tanto, fico animado. Apresentando três contos totalmente únicos de diferentes diretores, “The House” existe em algum tipo de submundo. É como uma série de histórias presas em algum livro de imagens empoeirado escondido em uma prateleira de uma mansão mal-assombrada, esperando para ser derrubado e lido por um fogo crepitante. É assustador, estranho e, no final, totalmente adorável.

Alguma coisa aqui é real? Ou um sonho? Ou um pesadelo? Não importa. O que importa é a forma como o filme o conduz, gentilmente pegando sua mão e conduzindo você por corredores escuros e sinistros. O stop-motion é hipnótico – os personagens nunca parecem reais, e eles não precisam. As figuras humanas parecem estranhas bonecas de pano, o tecido de sua pele bastante perceptível, e os animais parecem uma taxidermia que de repente voltou à vida, escapando de qualquer montagem que os prendesse anteriormente. Tudo isso envia uma mensagem de que qualquer coisa, literalmente qualquer coisa, é possível. É fácil se encantar com tudo isso.

Capítulo 1

A primeira história, dirigida por Emma de Swaef e Marc James Roels, diz respeito a uma família pobre, mas aparentemente feliz, que vive em uma casa modesta em algum momento do século XIX. Estes são os personagens humanos – dois pais, um novo bebê e uma jovem chamada Mabel (dublada por Mia Goth). Depois de uma noite estranha vagando pela floresta, o patriarca da família, Raymond (Matthew Goode), conhece um homenzinho estranho, um arquiteto que afirma ser um amigo da família. No dia seguinte, a família recebe uma oferta surpreendente: uma casa novinha, totalmente gratuita. Raymond, que se irrita com sua posição inferior na vida, acha que isso é uma ótima ideia. Assim como sua esposa. Apenas Mabel parece um pouco perturbada com tudo isso.

Essa sensação desconfortável aumenta quando eles se mudam para a casa – que é construída rapidamente, considerando todas as coisas. A casa em si é grande e esteticamente agradável. Mas as advertências começam quase imediatamente: quando a família tenta mover alguns de seus móveis para dentro de casa, eles são informados de que devem deixá-los para trás – o próprio arquiteto mobiliou a casa e ele não quer itens externos. Isso pode parecer estranho, mas me lembrou de uma história que ouvi uma vez sobre Frank Lloyd Wright, que projetou não apenas o exterior de suas casas, mas também o interior, incluindo os móveis e onde eles deveriam ser colocados. A história diz que Wright estava propenso a aparecer aleatoriamente sem avisar nas casas que ele construiu e insistir em entrar. O proprietário obrigaria. Se Wright visse uma peça de mobília em um lugar onde não pretendia que estivesse, imediatamente a colocaria de volta no lugar correto. Talvez a história seja apócrifa. Talvez não.

Uma vez em casa, as coisas ficam ainda mais estranhas. Os pais parecem completamente perdidos em transe; a escada para subir de repente desapareceu; e por mais que tentasse, Raymond simplesmente não consegue acender o fogo na lareira. E oh sim, aquele arquiteto misterioso gosta de aparecer aparentemente do nada e gargalhar para si mesmo. Mais uma vez, apenas Mabel sente que algo está errado aqui – e ela sabe que tem que dar o fora de casa com sua irmãzinha a tiracolo.

Os bonecos de pano que habitam essa história são reais e irreais. Novamente, é como se algum estranho encantamento tivesse sido colocado sobre todo o filme, animando o inanimado. A performance de voz doce e suave do gótico ancora tudo, a luz solitária brilhando na escuridão. E as coisas só ficam mais estranhas a partir daqui.

Capítulo 2

A segunda história, dirigida por Niki Lindroth von Bahr, salta para os dias atuais. Mas em vez de personagens humanos, todos os personagens aqui são animais, mesmo que todos pareçam estar ocupando a mesma casa. E não quero dizer que são pequenos animais correndo pelas tábuas do assoalho – se esta é realmente a mesma casa, isso significa que as criaturas que agora puseram os pés nela são imenso; tamanho humano. Aqui encontramos um rato conhecido apenas como o Desenvolvedor (dublado por Jarvis Cocker). Ele comprou a casa, arrumou-a e planeja trocá-la por um lucro inesperado. Mas isso não vai ser tão fácil. Por um lado, a casa está infestada de insetos – insetos que têm seu próprio grande número musical no estilo Busby Berkeley embaixo da pia.

Por outro lado, depois de convidar pessoas (quer dizer, animais) para uma casa aberta, o Desenvolvedor encontra aquele casal que simplesmente não vai embora. Eles afirmam que querem comprar a casa, e o Desenvolvedor fica emocionado. Mas como o casal começa a tomar banhos demorados e ignorando qualquer um dos pedidos de pagamento do Desenvolvedor, fica claro que eles não têm intenção de trocar dinheiro – eles só querem ficar. Há um manto de desconforto envolvendo esse segmento, desde os insetos fugitivos até as maneiras como o pobre e desafortunado Desenvolvedor tenta primeiro vender a casa e depois tenta tirar o casal de cócoras. A sequência da casa aberta é particularmente estranha, pois o Desenvolvedor lista todos os muitos apetrechos da casa para um grupo de espectadores indiferentes.

Capítulo 3

Enquanto os dois primeiros segmentos se inclinam para o horror e o surreal, a entrada final em “The House”, de Paloma Baeza, encontra um vislumbre de esperança à espreita em toda essa escuridão. É agora em algum momento no futuro, e o mundo foi inundado (Devido às mudanças climáticas, talvez? Nunca nos dizem o porquê). A casa ainda está de pé, projetando-se de uma ilha, aparentemente à deriva em toda aquela água. E personagens ainda habitam suas paredes. A casa agora é propriedade de uma gata chamada Rosa (Susan Wokoma), que usa a enorme mansão como prédio de apartamentos. Restam apenas dois inquilinos – Jen (Helena Bonham Carter) e Elias (Will Sharpe), e o futuro parece sombrio.

Mas Rosa tem esperança. Ela continua consertando a casa, supondo que a qualquer momento mais inquilinos chegarão, e ela pode transformar o prédio em um empreendimento lucrativo. Ela cresceu nesta casa, diz ela, e precisa de dinheiro para consertá-la. Isso vai ser um pouco difícil, já que Jen e Elias não são exatamente bons em pagar o aluguel. A solução: encontrar novos inquilinos que darão a Rosa o dinheiro que ela precisa para restaurar a casa. Mas Rosa parece estar delirando – ela não vai deixar uma coisinha como a inundação do mundo inteiro entrar em seu caminho. Em meio a essa história sombria e bem-humorada está aquela pequena fagulha de esperança que mencionei; a sensação de que, por mais opressiva e assustadora que a casa possa ser, ainda há a chance de algo melhor. De romper com as fundações e zarpar.

Cada um desses contos é reproduzido com cuidado meticuloso. A pele dos animais eriçou-se; a luz do fogo dança nos olhos pretos, sem graça e minúsculos dos humanos; névoa rola e envolve tudo, e então rola de volta para fora. Mesmo que você não consiga se conectar com as histórias, ficará impressionado com a arte de tudo isso; a sensação de magia. E não mágica no sentido de algum truque barato feito por algum vigarista de dois bits. Estamos falando de mágica real aqui. O tipo de magia que pode fazer o mundo parecer novo novamente.

/Classificação do filme: 9 de 10

Leia a seguir: Os melhores filmes de 2021

O post The House Review: A Creepy, Strange, and Finalmente Beautiful Stop-Motion Anthology apareceu primeiro em /Film.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta