Em 1976, Ingmar Bergman dirigiu uma versão cinematográfica da ópera, que recebeu quatro estrelas de meu falecido marido Roger Ebert, que escreveu: “Sua ‘Flauta Mágica’ é dirigida com um prazer alegre por suas aventuras de contos de fadas, seus jovens amantes e feiticeiros sinistros e efeitos especiais improváveis.Para filmá-lo, ele decidiu ficar no período, para abordar a obra de frente e em seu próprio espírito como uma espécie de história de ninar divertida e assustadora. […] Bergman nos mostra como funcionam os efeitos especiais, nos dá vislumbres dos bastidores dos jogadores correndo para encontrar as dicas e relaxando durante o intervalo, e somos lembrados de muitas outras cenas nos bastidores de seus filmes. Devemos estar cientes de assistir a uma apresentação e, ainda assim, em algum nível, Bergman também quer que a fantasia de Mozart funcione como uma história, um conto absurdo, e funciona. Este deve ser o filme mais delicioso já feito de uma ópera. “

Roger e eu criamos um vínculo, entre outras coisas, por nosso amor pela ópera. Na verdade, nosso primeiro encontro foi na Lyric Opera (“Tosca”), e agora faço parte do Conselho de Administração. Embora nossas emoções mais fortes se voltassem para as performances mais tradicionais, também encorajamos uma reimaginação da ópera contemporânea usando os talentos dos letristas e criativos atuais. Roger teria aplaudido a apresentação da Ópera Lírica de “A Flauta Mágica”. Eu encorajo os passos que o Lyric está tomando para levar a ópera a um público mais amplo, incluindo o Lyric Unlimited Committee, que trabalhou com grupos de bairros e escolas em Chicago.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta