Em O Desaparecido, que correm com força com uma vingança sobre Netflix, um casal e sua jovem filha conduzem sua caravana para um acampamento e para uma confusão de crianças desaparecidas, assassinatos improváveis e um tanque inteiro de suspeitas alimentado a diesel. Quem fez isso? Será que isso aconteceu? Espere, o quê?

A essência: Paul (Thomas Jane) e Wendy (Ann Heche) estão em seu gigantesco veículo recreativo, cantando canções de estrada enquanto sua jovem filha Taylor canta lá atrás. “You’re s smack dab in the middle of Shitsville, USA”, o dono do RV Park cospe neles quando eles chegam, e isso é um pouco fora de tempo, mas ei, vamos desocupar! Mas Paul mal tem tempo para vestir seu chapéu de pescador e ficar de olho na vizinha proprietária da caravana Miranda (Aleksei Archer) em sua banheira inflável antes que Taylor desapareça repentina e inexplicavelmente. E The Vanished lança-se em uma longa seção intermediária, apresentando a aplicação da lei que vasculha a área, sugestivo arrepio do proprietário da caravana e de seu descuidado, sem conta, e Paul e Wendy parecem vacilar entre a angústia emocional e um estranho e inseguro distanciamento do aparente desaparecimento de sua filha.

O desaparecido foi escrito e dirigido pelo ator Peter Facinelli da fama de Crepúsculo, e seu trabalho de câmera vacilante e sondante infunde uma sensação de presságio em quase tudo o que acontece. Um barbudo Jason Patric aparece como o Xerife Booker, que parece ter saído do caminho, pois está lidando com a perda de seu próprio filho, uma propensão para a garrafa, e um casamento fracassado. Mas quando Booker diz a Wendy e Paul que um fugitivo está à espreita na floresta, e eles talvez matem muito rápido um cara que descobrem lá fora enquanto procuram por sua filha, o presságio começa a parecer um prenúncio de um resultado muito diferente do que a resolução padrão do desaparecimento de Taylor.

De que filmes isso o fará lembrar? O título genérico final de The Vanished o alinha com The Vanishing, que também inclui assassinato (e Peter Mullan e Gerard Butler), mas em um cenário de 1900 em um farol ao largo da costa da Escócia. O esticado thriller Breakdown de 1997 apresenta Kurt Russell em uma guerra de vontades com o fantástico e falecido ator JT Walsh em uma frenética tentativa de encontrar sua esposa desaparecida e/ou seqüestrada, interpretada por Kathleen Quinlan.

O ator Thomas Jane é sólido aqui como Paul, um veterano da Guerra do Golfo que sempre quis o melhor para sua esposa e filha, mas que foi levado a ter comportamentos estranhos e maníacos devido às circunstâncias de sua união. Sua ampla e envelhecida caneca contorce-se em todos os momentos certos, e a propensão de Jane para entregar rajadas de linhas a uma velocidade ascendente ajuda a sugerir as emoções quebradas que habitam sob o chapéu de pesca de Paul.

Diálogo memorável: “E se eles estivessem tentando ter um bebê tão mal que, em vez disso, levaram o nosso”? À medida que Wendy, lenta mas seguramente caindo aos pedaços pelas costuras, começa a se lançar em busca de respostas, Anne Heche franziu o sobrolho e os olhos estreitos nos ajudam a acreditar que seu caráter pode realmente ser capaz de acusar um estranho total de seqüestro, ao mesmo tempo em que admite ter revistado o motor da casa deles.

Sexo e pele: As oportunidades de Paul para olhar com amor a hóspede Miranda do parque de caravanas crescem mais Clark Griswoldian com o tempo, ao ponto de que, quando ele e Wendy revistam sua caravana, ele faz uma pausa para penhorar as imagens digitais de Miranda no buff.

Nosso Take: The Vanished foi originalmente chamado Hour of Lead, uma frase encontrada no poema de Emily Dickinson que aparece na tela no início do filme. O poema passa por noções de dor e perda, e a sensação de como essas emoções nos transformam, o que, ao que parece, é exatamente o que aconteceu com Paul e Wendy. Jane e Heche se deslocam facilmente entre rostos emocionais – o de um casal assustado com seu filho potencialmente seqüestrado, ao de duas pessoas danificadas que só têm seus vícios para colá-los juntos. O desaparecimento se transforma em um rolodex tipo Agatha Christie de potenciais seqüestradores por um pouco de tempo demais, e Jason Patric olhando obsessivamente através de um lago silencioso não tem a gravidade que os numerosos tiros deste acontecimento parecem pensar que tem.

Mas o filme em si tem direitos sempre que Jane e Heche são capturados fazendo coisas malucas como procurar impulsivamente uma caravana vizinha, ou acusando-se mutuamente de indiscrições do passado. E em seus poucos e frenéticos momentos finais de revelação, The Vanishing oferece uma reviravolta digna do tempo que levou para chegar lá.

Deixe uma resposta