A série é alimentada por processo e dedicação intelectual, e tem um diretor perfeito para montar o palco: Michael Mann. Como seu thriller de tecnologia criminalmente subestimado de 2015, “Blackhat”, o episódio piloto de Mann, “The Test”, foca no conhecimento e na enorme ambição de um jovem americano iniciante, o repórter policial de Ansel Elgort, Jake, que é visto pela primeira vez em uma reunião enigmática com muito perigoso, muito Japoneses infelizes, que o ameaçam sobre uma possível história que ele possa publicar. O programa então retrocede dois anos, onde Jake está se candidatando para conseguir um emprego na proeminente empresa de Tóquio. Meicho Shimbun jornal, que inclui um teste padronizado exaustivo. Quando Jake consegue o emprego, é apenas o começo de seus testes, dada a natureza implacável de seu local de trabalho e a maneira como ele é descartado por ser um gaijin não apenas pessoas aleatórias, mas seus próprios chefes. Os close-ups de Mann em Elgort e a ênfase em brincar com a mixagem de som aumentam ainda mais a intensidade de sua perspectiva e como podemos ser pegos por ela.

A fome de Jake para provar a si mesmo como repórter leva a escrever sobre uma misteriosa morte em uma ponte, um homem com uma espada no estômago, que ele considera um assassinato. Mas, como lhe disseram, “Não há assassinatos no Japão”, uma declaração enigmática de seu chefe zangado que se torna mais aparente quanto mais Jake cava. Não muito tempo depois, ele testemunha um homem se incendiar, um ato de suicídio que descobrimos estar relacionado. O conhecimento é especialmente poderoso no submundo de Tóquio, e Elgort prova ser um ótimo substituto à medida que aprende como se meter na lama com sua reportagem sobre crimes, como enganar os mesmos homens que o descartam. Se alguém achar Elgort interessante como ator, esse papel prova ser um bom ajuste para sua intensidade e compromisso – ele é um ator moderno e inquieto, e isso funciona pelo menos para uma explicação de como ele foi mal interpretado. entre a nostalgia cinematográfica de “West Side Story”, de Steven Spielberg.

Criado por JT Rogers, “Tokyo Vice” torna-se sobre pessoas tentando seguir seu caminho neste submundo, navegando pelas diferentes estruturas de poder com várias transações. Esse elemento é destacado pela representação empática da série da cultura anfitriã japonesa e a vida de Samantha (Rachel Keller), outra americana em Tóquio. Ela tem suas próprias aspirações e conhecimento de negócios, que complementam sua fluência em japonês. Ela também entende os desejos das pessoas, incluindo os homens que tentam mandar nela. E eles estão bem cientes de que ela tem suas próprias conexões que podem desarraigar seus negócios facilmente.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta