Um acabamento forte abre as portas para o inferno [Fantasia]

0
29

A inclusão da esposa de Cole, Linda Parsons (Natalie Brown), e a subtrama da filha desaparecida de Cole desbloqueiam textos ocultos dentro de “The Breach”, transformando-se de um flutuador assustador no rio Porcupine para algo fora deste mundo. A paciência com as batidas no peito de John e Jacob ou as brincadeiras românticas de John e Meg são recompensadas quando os monstros de Gudiño emergem, rastejando e rosnando para frente como esses pesadelos de carne de dentro para fora e restos humanos profanados. As próteses e efeitos de criaturas de Daniel Baker brilham em um orçamento, apesar de pouco alívio à luz do dia, enquanto mutações e figuras grotescas e desleixadas trazem a sujeira hardcore (leia-se: sangrento, sujo, vil). “The Breach” acerta seus variados efeitos quando solicitado – os efeitos digitais até se sustentam – e deve apaziguar as criaturas freakazoids por aí, desde que possam suportar os começos mais processuais.

Sem o ataque de efeitos do filme durante os ataques finais, “The Breach” estaria perdido para seus tipos de personagens rígidos e restrições indie. É inquestionável fora do guitarrista do Rush, Alex Lifeson, aparecendo como revelador de informações maluco, Alex, que alimenta o diálogo sobre colisores de partículas e cientistas brincando de Deus com manipulação molecular. Os elementos de ficção científica mais difíceis de “The Breach” são sempre mais bem servidos em suas apresentações de horror retorcidas, que revigoram a emoção. Todas as performances de forma limpa e eficiente entregam o que é chamado, mesmo quando os personagens agem como inúmeros protagonistas de terror indie que estão lá apenas para levar um enredo adiante – nunca se envolvendo em níveis de curiosidade genuína com o ambiente. A narrativa parece rodas em movimento usando a mesma linha de montagem “Horror 101”, até que dedos extras apareçam nas mãos ou ameaças gosmentas cambaleantes desçam sobre o esconderijo de Cole.

“The Breach” ganha apreciação duradoura em seus momentos mais importantes, e é por isso que recebe uma recomendação bastante entusiasmada. Rodrigo Gudiño é agora dois por dois na minha folha de estatísticas, mudando de um medo fantasmagórico baseado na dor em “A Última Vontade e Testamento de Rosalind Leigh” para um monstro palooza total. O público da meia-noite pode não ficar empolgado com o ritmo, mas esses designs de criaturas e batidas sangrentas devem acumular a expiação adequada. Com um orçamento independente, com bom senso de faça-você-mesmo, “The Breach” se separa do bando de mortos-vivos por pura força de vontade SFX – é um assunto confuso, mas geralmente da maneira certa.

/Classificação do filme: 7 de 10

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta