Um assombroso horror pós-apartheid sobre desigualdade racial e trauma geracional

    0
    20

    A trama de “Boa Senhora” se concentra em como a desigualdade racial fratura uma unidade familiar. “Good Madam” não é um filme de terror cheio de sustos. Não há pontuação alta ou reviravolta no terceiro ato. Prepare-se para um ritmo crescente de um filme que pede para você desligar o telefone, se acomodar e ouvir com atenção. Em “Good Madam”, os personagens escondem mais do que revelam, acrescentando intriga a cada discussão. A maior parte de “Good Madam” retrata mães e filhas discutindo por suas necessidades – independentemente de como sua abordagem prejudica uma à outra. Winnie não quer viver em um lugar “sujo” novamente. Tsidi está furiosa com sua mãe, pois ela acha que Diana escravizou Mavis e que sua mãe está bem com esse destino. Mavis não quer desafiar Diane por medo de perder a moradia de sua família. A ameaça dos sem-teto é palpavelmente aparente ao longo do filme, trazendo uma forte dose de horror da vida cotidiana que mantém as apostas do filme altas. Mesmo quando as coisas começam a ficar estranhas dentro de casa, e eles têm, a ansiedade de não ter nenhum lar torna difícil as escolhas dos personagens de sair ou ficar.

    Visualmente, este filme de terror psicológico é excelente. Nenhum detalhe é irrelevante. A maioria dos adereços (mesmo que estejam em uma cena por um curto período de tempo) carregam muito peso emocional para eles – como como Diane pendurou fotos de antigos “trabalhadores” de sua família em sua sala de estar. Ou as fotos arrebatadoras da intocável coleção de porcelanas de Diane, enquanto Mavis tem apenas uma caneca para usar. Imagens do passado se fundem com o presente como uma metáfora para o trauma cíclico que Tsidi está passando – temendo que ela esteja se tornando sua mãe enquanto tenta criar uma filha negra.

    Fonte: www.slashfilm.com

    Deixe uma resposta