“The 355” é o equivalente cinematográfico do Hydrox. É uma recauchutagem branda e genérica de algo que é muito querido, senão amado, algo que se parece vagamente com a coisa real. Os lançamentos no início de janeiro costumam ser um sinal de preocupação, mas talvez a melhor notícia possível sobre “The 355” é que não é terrível – é muito indistinto para ser tão agressivamente ruim. Em vez disso, tem a sensação geral de ser um filme, sem realmente ser particularmente memorável.

Deixando de lado a estratégia de lançamento da primeira sexta-feira do ano, é mais do que um pouco decepcionante que “The 355” acabe sendo tão básico e direto, pelo menos por causa do elenco muito impressionante que encabeça a história. Jessica Chastain estrela como Mason, apelidado de Mace, um agente americano durão que raramente segue as regras, mas faz o trabalho, etc., etc. Você pode pensar que seria um clichê dizer que Mace é bom em tudo, exceto seguir ordens, e não se preocupe – não é assim que alguém descreve dela. É assim que alguém descreve outro agente do governo no filme, Marie (Diane Kruger), uma agente alemã durona que também raramente segue as regras, mas faz o trabalho, etc., etc. Mace e Marie, que começam como rivais tentando chegar ao fundo de uma arma tecnológica mortal que pode incapacitar o mundo, junte-se a Khadijah (Lupita Nyong’o), uma ex-agente do MI6, e Graciela (Penelope Cruz), uma especialista colombiana, para impedir que esta arma seja lançada no mundo.

Esse quarteto de protagonistas é simplesmente empilhado em termos de talento de atuação, o que torna “The 355” ainda mais frustrante. Não é só que Chastain, Cruz, Nyong’o e Kruger são capazes de um material melhor, mas que conforme eles seguem os movimentos do roteiro rangente (por Theresa Rebeck e o diretor Simon Kinberg), as quatro atrizes claramente conhecer eles são capazes de material melhor. O aparente ímpeto para “The 355” foi fazer um filme de espionagem voltado para mulheres no estilo das franquias “James Bond” ou “Missão: Impossível”, um objetivo razoável que acaba ficando aquém porque este roteiro, assim como o instável sequências de ação filmadas e editadas não destacam os talentos dessas atrizes.

Uma história surpreendentemente básica e previsível

Não ajuda que “The 355” tenha uma história com reviravoltas que são muito fáceis de adivinhar logo no início. Esta história não foi projetada para fazer você descobrir algumas surpresas, para ser claro. Mas para o elenco empilhado do lado dos mocinhos, você pode naturalmente se perguntar quem pode estar por trás da arma desestabilizadora que os mocinhos estão tentando impedir. Sem revelar muito, só vale a pena notar que “O 355”, inadvertidamente ou não, acaba copiando um arco de personagem vilão da série “Missão: Impossível” de tal forma que você teria que estar totalmente ignorando o primeiro terço deste filme pousa na identidade do verdadeiro vilão, revelada no terço final.

Claro, algumas das melhores franquias com foco em espionagem são muito menos sobre suas histórias do que sobre as sequências de ação que revestem essas histórias. Embora Kinberg, recém-saído do verdadeiramente execrável filme dos X-Men “Dark Phoenix”, inclua um punhado de tiroteios e sequências de luta, ele não quer ou não está interessado em encenar sequências tensas ou emocionantes. Em vez de parecer muito com os filmes recentes de “Missão: Impossível” ou “James Bond”, onde as sequências de ação são cuidadosamente elaboradas e filmadas com paciência, “O 355” tem um ritmo acelerado e uma boa parte das lutas são filmadas com o que parece ser uma lente olho de peixe. Tudo o que isso faz é adicionar uma camada tonta às cenas que já são um pouco difíceis de seguir espacialmente.

Um desperdício de um grande elenco

Entre os protagonistas, nenhum dos atores brilha notavelmente ou atrapalha o caso. Primeiramente, é frustrante ver essas boas atrizes tentando elevar o material que não lhes faz nenhum favor por ser tão indefinido. Digno de nota, talvez, seja Nyong’o, que obviamente tem uma química encantadora com Chastain e os outros (em parte porque Lupita Nyong’o teria uma química encantadora com qualquer ator ou atriz). Este é seu primeiro papel importante desde sua atuação em “Us”, de Jordan Peele, três anos atrás, e embora a oportunidade de trabalhar ao lado de outros grandes performers tenha sido uma isca, é decepcionante que ela não tenha passado para outra grande atuação apenas ainda.

O mesmo, porém, pode ser dito de todos os artistas em “The 355”. Isso é o mais padrão, direto e enfadonho possível. Para começar os filmes de 2022, você poderia fazer pior. Mas essa não é exatamente uma ótima maneira de divulgar um filme, é? “O 355” teve sua data de lançamento adiada algumas vezes, compreensivelmente por causa da pandemia. Agora, com o surgimento de uma nova variante de vírus, é honestamente desconcertante que a Universal Pictures não esteja apenas vivendo com a perda e enviando isso direto para streaming. Esse é o tipo de filme para o qual você presta metade da sua atenção em um avião, o filme para o qual você olha distraidamente na TV a cabo em uma tarde de fim de semana enquanto dobra sua roupa. “O 355” é genérico demais para valer muito mais.

/ Classificação do filme: 4 de 10

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta