Tudo isso poderia ter saído pela culatra. Um entrevistado aqui carinhosamente chama Steve de “caipira”, e o próprio Steve fala de como ele está sempre um pouco desgrenhado e sempre um pouco por aí. Ele também sofre de TOC, a ponto de “sempre usar três pares de meias” e constantemente tem um pedaço de papel toalha na mão como um cobertor de segurança. Um filme menor apontaria o dedo e riria de Steve, zombando dele por ser uma figura tão estranha. Mas fica claro que “The Pez Outlaw” tem muito carinho por Steve. E quaisquer que sejam suas falhas, o próprio Steve parece ser um cara genuinamente bom, dedicado à sua família.

“The Pez Outlaw” acompanha a jornada de Steve. Seu TOC o inspirou a colecionar caixas de cereais. Isso, por sua vez, o inspirou a colecionar e depois vender prêmios de caixas de cereais. E então veio o Pez, aqueles dispensadores de doces de plástico descolados, cobertos com todos os tipos de cabeças de personagens coloridas. Como aprendemos aqui, a empresa americana Pez e a empresa europeia Pez são entidades quase totalmente diferentes. O Pez no exterior ofereceria todos os tipos de designs de dispensadores que foram rejeitados pelo US Pez, o que significava que eles imediatamente se tornaram valiosos para os colecionadores dos EUA.

E, infelizmente para Pez, mas felizmente para Steve, Pez negligenciou o registro de sua marca na alfândega – uma brincadeira que permitiu a Steve trazer livremente milhares e milhares de dispensadores de Pez de volta aos estados. Eventualmente, a empresa percebeu o que Steve estava fazendo e não ficou empolgada. Claro, Steve estava tecnicamente vendendo o IP de outras pessoas, e Pez tinha o direito de querer impedi-lo. Mas é tão difícil não gostar de Steve. E o doc faz um grande esforço para pintar Pezident Scott McWhinnie como um idiota vilão.

Em um mar de documentários baseados em crimes reais, há algo tão encantador sobre o mundo de baixo risco de “The Pez Outlaw”. Ninguém é brutalmente assassinado, ou mesmo ferido. O mal não corre solto. Há um momento em que descobrimos que duas das fábricas de que Steve comprou Pez fecharam, fazendo com que Steve se sentisse culpado, afirmando que ele achava que era diretamente responsável por essas pessoas perderem seus empregos. Mas então os cineastas cortaram diretamente para um representante de Pez que imediatamente derrubou isso, comentando que os fechamentos não tinham absolutamente nada a ver com o que Steve estava fazendo. Eles estão mentindo para salvar a cara? Pode ser. Ou talvez seja a verdade, e as fraquezas de Steve realmente não causaram muito dano.

Pode-se argumentar que as coisas também luz aqui. De fato, há mais do que algumas diversões (como uma viagem de lado reconhecidamente engraçada com outro colecionador de Pez que está zangado porque a equipe de documentários não está fazendo um filme sobre ele em vez de Steve) que parecem ter sido adicionadas ao bloco o tempo de execução. Mas “The Pez Outlaw” acaba sendo tão rápido, alegre e divertido, que acaba fazendo seu trabalho e, ao contrário do doce Pez, nunca deixa um gosto ruim em nossas bocas.

/Classificação do filme: 7 de 10

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta