“War Pony” não é um retrato bonito ou sentimental da vida rez e das comunidades indígenas, mas uma representação brutalmente honesta de suas dificuldades. Da violência e das drogas, à pobreza e ao abandono total pelo resto do país. Sem chamar tanta atenção para parecer enfadonho, o filme reconhece plenamente as dificuldades enfrentadas pelas 574 tribos nativas americanas reconhecidas pelo governo federal e as mais de 300 reservas em todo o país, que nunca viram a educação ou a saúde que lhes foi prometida em troca. por ceder suas terras ao governo federal. No entanto, este também é um filme que aprecia a beleza das paisagens de pradaria e colinas encontradas na Reserva Pine Ridge, apesar de ser um dos condados mais pobres dos EUA

De fato, “War Pony” se concentra não nos problemas da terra, mas no coração de seu povo, e como todos se conhecem, mesmo que mal se vejam. Ele aprecia pequenos atos de bondade como uma mulher vendo um grupo de crianças roubando e pagando por eles para que não tenham problemas – ou como a comunidade se reúne para um inferno de um dedo médio catártico para o homem final.

De muitas maneiras, “War Pony” é sobre iluminar uma comunidade pequena e negligenciada, e apenas contar uma história simples sobre o tipo de personagem que você encontra lá e os microcosmos ao redor da comunidade. Há pouco o que falar em termos de enredo, mas seu foco no humor e no personagem condensa uma quantidade incrível de história a ponto de, mesmo que “nada esteja acontecendo”, o filme traz mais tensão do que muitos thrillers.

Uma cena em que um grupo de crianças tropeça em uma sacola cheia de armas facilmente se tornaria o centro da história e um conto de moralidade nas mãos de cineastas menores, mas aqui, os roteiristas e diretores lidam com isso com nuances e não arrastam fora da subtrama. No entanto, Keough e Gammell desaceleram durante grande parte do filme, a fim de permitir pequenos momentos de autenticidade e personalidade, como um suspiro silencioso ou um olhar ansioso.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta