A música também desempenha um papel “Batidas Magnéticas” (5, 9 de março), o drama enérgico e familiar de Vincent Mael Cardona ambientado no início dos anos 1980, Brittany, centrava-se em dois irmãos – o charmoso e autodestrutivo Jerome (Joseph Olivennes) e seu irmão mais novo, Philippe (Thimotée Robart), que operam seus próprios rádio pirata. Ambos se apaixonam pela mesma mãe solteira (Marie Colomb) pouco antes de Philippe ser enviado para Berlim para cumprir seu ano de serviço militar obrigatório. Similarmente, “O horizonte” (8, 10 de março), o longa de estreia de Emilie Carpentier (que aparecerá com o filme no dia 10), conta uma história bastante corriqueira de uma jovem de 18 anos chamada Adja e sua mudança gradual de auto-absorção para engajamento político. ; o filme deriva a maior parte de sua energia da performance inegavelmente convincente de Tracy Gotoas no papel central. Inclinando-se ainda mais jovem, Axelle Ropert “Pequena Solange” (7 de março, 12) centra-se em Solange (Jade Springer em sua estréia na tela), uma garota de 13 anos tentando negociar o campo minado emocional que é o casamento de seus pais (Philippe Katerine e Léa Drucker) que está se desintegrando rapidamente.

“Bruno Reidal, Confissões de um Assassino”

De todos os filmes em exibição, o mais sombrio, de longe, deve ser “Bruno Reidal, Confissões de um Assassino” (9 de março, 11 de março), estréia na direção certamente controversa de Vincent Le Port. Baseado em um caso da vida real, o filme começa com um estudante de seminário de 17 anos, Bruno (Dimitri Doré), confessando o horrível assassinato de um menino de 13 anos. Incapaz de entender o que poderia ter motivado tal ato, os médicos encarregados de determinar sua sanidade pedem que ele escreva suas memórias para que possam ter uma ideia melhor de quem ele é, para ajudá-los a dar um veredicto. Suas lembranças compõem a maior parte do filme. Muitos ficarão chocados com algumas das imagens em exibição, variando de abuso sexual a uma reconstituição surpreendentemente visceral do assassinato, mas mesmo que houvesse muitos pontos em que considerei seriamente desistir do filme, ele foi feito com inegável habilidade e intelecto. Se você vai adorar ou detestar, eu não saberia dizer. Uma coisa é certa – se alguma vez houve um filme feito sob medida para aparecer na lista anual dos melhores filmes do ano que John Waters compila para Artforumé este.

Crime também figura nos dois títulos restantes do programa. Thierry de Peretti “Encoberto” (6, 10 de março) conta outra história de crime da vida real, esta contando a investigação de três anos iniciada em 2017 inspirada por um informante da polícia (Roschdy Zem) que se aproxima de um jornalista de Libertação (Pio Marmaï) com evidências sugerindo que o chefe de narcóticos (Vincent Lindon) é de fato um traficante de drogas de alto nível. Por último, mas não menos importante, Jim Jarmusch apresentará uma exibição de “Não toque no grisbi” (4 de março), clássico de 1954 de Jacques Becker sobre um par de criminosos envelhecidos, Max (Jean Gabin, que ganhou o prêmio de Melhor Ator no Festival de Veneza por sua atuação) e Riton (René Dary), que acaba de roubar 50 milhões de francos em ouro, dinheiro que permitirá a Max se aposentar confortavelmente e Riton para ajudar a manter sua namorada showgirl (uma aparição precoce da lendária Jeanne Moreau). Infelizmente, esses planos inevitavelmente acabam por desmoronar diante da ganância, violência e traição no que geralmente é considerado um dos maiores de todos os filmes policiais franceses e que, apesar de sua idade, parece tão fresco e inovador quanto qualquer uma das outras escolhas na programação deste ano.

Para obter mais informações sobre horários de exibição, disponibilidade de ingressos e aparições programadas, acesse o site Film at Lincoln Center em filmlinc.org. O programa Rendez-Vous with French Cinema acontece de 3 a 13 de março.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta