Como nos excelentes recursos anteriores de Mills, “Beginners” e “20th Century Women”, as narrativas reais que impulsionam nossas histórias são as pessoas em nossas vidas: aqueles que amamos, aqueles com quem discutimos, aqueles contra quem nos rebelamos, aqueles desapontamos, e aqueles a quem corremos em busca de conforto. Em “C’mon C’mon”, Johnny vem em auxílio de sua irmã semi-afastada Viv (Gaby Hoffmann) quando ela precisa ir para o norte da Califórnia para ajudar seu marido mentalmente doente, Paul (Scoot McNairy), a buscar tratamento. Um histórico compartilhado de dor e palavras que eles não podiam retirar separou os dois irmãos após a morte de sua mãe. Agora, Viv pede a Johnny para tomar conta de seu filho precoce, Jesse (Woody Norman), em Los Angeles. Empurrado para uma função de zelador em tempo integral para seu sobrinho, Johnny ganha uma nova apreciação do mundo, como é difícil ser pai e os muitos momentos de alegria e frustração que vêm com isso.

Escrito e dirigido por Mills, “C’mon C’mon” explora a nova dinâmica na vida de Johnny com sinceridade. Ele está tentando tirar o melhor proveito de uma situação difícil, tentando proteger Jesse da realidade mais dura da doença de seu pai e tentando lidar com as muitas peculiaridades de seu sobrinho. Norman pode ocasionalmente roubar o show com suas travessuras, mas é o desempenho vulnerável de Phoenix que fundamenta o filme. “Vamos, vamos” segue os doces momentos de conexão e compreensão entre os dois, bem como seus erros, como quando Jesse desaparece brevemente de vista em uma loja e deixa Johnny em pânico. O tio não iniciado enlouquece quando finalmente encontra Jesse, o que só faz com que o menino se retraia ainda mais. É um erro honesto, mas dolorosamente identificável. A próxima cena envolve Viv treinando seu irmão durante o processo de perdão e tentando reconquistar a confiança de Jesse em Johnny. Relacionamentos são experimentos complicados, e o processo de tentativa e erro começa antes mesmo de compreendermos totalmente seus resultados.

No que diz respeito à experimentação, Mills se afasta um pouco de seus filmes anteriores e filma “C’mon C’mon” inteiramente em preto e branco. É uma escolha impressionante, lançando os altos e baixos do dia a dia da paternidade e do cuidado sob esse prisma cinematográfico, algo que parece atemporal (crescer e enfrentar a realidade), mas ainda assim um produto de seu momento na história (narrativa em áudio na era de “This American Life”). A cinematografia não é nitidamente contrastada, portanto, permite muito mais tons de cinza na tela, uma paisagem perfeita para os personagens ainda entendendo sua nova realidade. Mills e seu diretor de fotografia Robbie Ryan também fazem uma sutil comparação visual entre LA e NYC, mostrando as calçadas iluminadas pelo sol e os bangalôs de Los Angeles em frente aos prédios lotados e ao espírito encardido da cidade de Nova York. Mesmo no brilho romântico da cinematografia em preto e branco, esses dois locais são seus próprios personagens. Graças à natureza do show de Johnny, o filme também faz viagens para Detroit e New Orleans, mostrando que eles também podem ser mostrados sob esse prisma. Há um nível elevado de atenção ao fundo e ao cenário, seja um centro movimentado, uma casa cheia de memórias ou os galhos de longo alcance de um velho carvalho, que cria esses cenários evocativos para ecoar as emoções dos personagens humanos naquela cena.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta