No dia seguinte eu peguei “Alma viva,” Cristèle Alves Meira história de uma jovem chamada Salomé (interpretou a filha de olhos arregalados do diretor, Lua Michel). O filme mistura o sobrenatural com uma precisão quase documental, trazendo à tona o cenário da aldeia portuguesa de uma forma apurada. É um filme quieto e introspectivo com um cenário discreto, apesar da clara turbulência familiar que está exposta. O resultado parece mais incerto do que inquietante, faltando uma forte explosão de retorno do gênero ou mesmo algo além do esperado à medida que os colapsos dos irmãos se intensificam.

Depois de tanto silêncio, foi a mudança para participar de uma sessão de entrevistas com o maior nome do festival, Tom Cruise. O teatro Debussy estava lotado para a conversa com Didier Lalouche, e ficou claro que Cruise tinha a missão de mostrar seu ponto de vista. Embora seja altamente divertido, carismático e até magnético às vezes, se tivéssemos que resumir a conversa de uma hora, seria alguma forma de “aprender todos os aspectos do seu ofício”, “apoiar cinemas” e “eu faço isso pelo público”.

Isso novamente não tira nada do efeito que essa estrela de Hollywood continua a ter no público tanto pessoalmente quanto na tela grande. Essa sensação de que ele era uma raça em extinção era pelo menos parte da corrente do que foi discutido. Houve algumas grandes histórias de humildade, e outras que mostraram o quanto ele contribuiu mesmo quando trabalhou com mestres como Kubrick. Sentado a poucos metros dele, continua sendo enervante o quão carismático ele pode ser pessoalmente, uma aura que a câmera de cinema vem conseguindo explorar agora há décadas.

Crédito da foto: Jason Gorber

Na manhã seguinte, depois do que pareceu uma vida inteira de espera, pude ver “Top Gun: Maverick”. Foi exibido, deliciosamente, no recém-renomeado Teatro Agnes Varda. Eu adoraria pensar que a própria Varda estava lá em espírito, sorrindo ironicamente para os belos homens e mulheres na tela, as máquinas eróticas e a trilha sonora barulhenta. Desde a nota de abertura e o logo “Simpson/Bruckheimer”, você sabe que a nostalgia vai atingir o pós-combustão completo, mas fiquei genuinamente emocionado que eles expandiram o enredo para níveis quase míticos, emprestando de tudo, de “The Dam Busters” a (mais abertamente) “Star Wars” para fornecer sua estrutura.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta