E ainda, apesar do posicionamento desta história dentro de um ambiente nativo americano, os personagens permanecem sozinhos como indivíduos espinhosos cujas decisões permanecem misteriosas durante a última cena. Nesse sentido, “Wild Indian” deve mais a um filme violento e anti-heróis como “Affliction” ou “Taxi Driver” ou “Menace II Society” do que a uma chamada “imagem problemática” que visa aumentar a conscientização da situação de um grupo de pessoas. Cultura e história são importantes para os personagens – assim como, digamos, a experiência de guerra de Travis Bickle, travas sexuais e doença mental são importantes para compreendê-lo – e ajudam a explicar em parte por que fizeram certas escolhas erradas (e por que certos traumas foram visitou a eles e seu povo, sem culpa própria).

Mas há muita coisa acontecendo neste filme além das explicações, talvez muito para fins de clareza. Este não é um filme que quer segurar sua mão e explicar o que isso significa. Parece muito provável que o cineasta não soube explicar o que ele quis dizer com todas as escolhas, porque tantas delas parecem intuitivas, desde a montagem de imagens mudas do rosto do jovem makwa espancado pela violência doméstica sobre a futura vítima de assassinato com sua namorada, até o tiro final de um homem contemplando a eternidade. As performances também mantêm as coisas sob controle. Greyeyes interpreta Michael como um homem atormentado e confuso, mas com um tom arrogante que parece ter sido o produto de emulação (ele não era assim quando era mais jovem), mas a questão de se o personagem é “simpático” não é no radar do ator ou do cineasta. O mesmo vale para o desempenho de Spencer como o adulto Teddo, uma pessoa de alma decente que parece ter uma relação instintiva com o filho de sua irmã e carrega uma grande quantidade de culpa. Eles não estão dando informações ao espectador ou tentando microgerenciar nossas simpatias. Eles estão apenas desempenhando os papéis.

O breve tempo de execução, juntamente com a atuação econômica e escrita e direção um tanto elípticas, deixará os espectadores com muitas perguntas. Mas esse é um recurso do projeto, não um bug. Parece claro que Corbine queria fazer um filme pessoal, não uma aula de história ou jogo de moralidade voltado para hipotéticos espectadores brancos, e é impossível olhar para o produto final sem sentir que foi bem-sucedido. Quaisquer que sejam seus méritos como uma história independente e independente, “Wild Indian” pode um dia ser considerada uma grande obra, não apenas no contexto da carreira de seu diretor, mas do cinema como um todo. Não está interessado em mediar seus personagens, história ou temas para o benefício de uma cultura que torna quase impossível que filmes como esse sejam feitos. É uma declaração de independência.

Agora em exibição em cinemas selecionados e disponível sob demanda.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta