Esta é a crônica definitiva da incrível ascensão de Tony Hawk para se tornar o rosto do skate moderno. Sim, houve skatistas profissionais antes de Hawk, mas nenhum deles jamais viu uma ascensão tão meteórica e reconhecimento mundial por sua dedicação ao esporte, que inclui Hawk criando mais de 100 truques inovadores. Mas você esperaria menos de um garoto que se tornou um skatista profissional aos 14 anos? Hawk arrecadou tanto dinheiro com o skate quando adolescente que conseguiu comprar sua própria casa quando estava no último ano do ensino médio. Seu primeiro skate está agora no Smithsonian. Isso é muito selvagem.

“Until the Wheels Fall Off” começa na década de 1980, quando o skate estava desfrutando de um dos vários picos de sua popularidade nos últimos 40 anos. Até o pai de Hawk entrou na ação criando a National Skateboarding Association para regular as competições. Mas apesar do sucesso de Hawk, para os skatistas que vieram antes dele, ele era um incômodo. Sua figura esbelta e sua abordagem única ao pool bowl boarding colocaram um alvo em suas costas, especialmente quando ele começou a ganhar competições e sinalizar o início do fim para a velha guarda dos skatistas. Apesar de finalmente encontrar algo que amava, ele era um pária em seu próprio esporte.

Como a carreira de Hawk estava crescendo junto com a crescente disponibilidade de filmadoras e videocassetes, há uma quantidade infinita de imagens de Hawk patinando em seus primeiros anos. Seja nos vídeos caseiros de sua família ou nas fitas underground da The Bones Brigade, a primeira equipe que Hawk se juntou quando adolescente, você pode ver esse garoto magricela irritando os profissionais mais velhos com seu ollie ascendente, que ele foi pioneiro apenas porque ele era muito magro para a inércia dar-se altura suficiente acima das tigelas para fazer truques corretamente. Na verdade, pode haver um pouco também muita filmagem de patinação. Isso pode soar como uma reclamação estranha para um documentário sobre o maior skatista do mundo, mas com uma duração de 135 minutos, você começa a sentir o comprimento depois de ver tanto skate doentio. Felizmente, tudo é alimentado por uma trilha sonora matadora, com uma cavalgada de rock de The Clash, The Sex Pistols, Echo e The Bunnymen, Joy Division, Pavement, Oingo Boingo, New Order e muito mais, então há muita energia de sobra.

Talvez a parte mais cativante do documentário venha das cabeças falantes de Tony Hawk e seus colegas skatistas profissionais. Stacy Peralta, Rodney Mullen, Mike McGill, Lance Mountain, Steve Caballero, Neil Blender, Andy MacDonald, Duane Peters, Sean Mortimer e Christian Hosoi levam você de volta no tempo com memórias infinitas sobre seus dias de patinação, e é incrível ver como esses profissionais envelheceram sem nunca abandonar seu estilo de skatista. Bonés de caveira, camisetas, camisas de boliche, shorts e muito mais ainda são usados ​​​​por essa equipe, mas (quase) todos certamente cresceram. Rodney Mullen é o destaque, com sua voz suave e sonhadora, oferecendo algumas belas ideias e filosofias sobre o skate, não apenas como esporte, mas como saída artística. Enquanto isso, Duane Peters traz as lembranças profanas e ásperas como um dos profissionais cuja carreira no skate chegou ao fim no momento em que a carreira de Tony Hawk estava em ascensão.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta